EUA: Corte federal decide em prol das restrições de asilo de Trump

Tempo de leitura: 6 minutos
Imigrantes se entregam ao controle de fronteiras nos EUA. Foto por Mani Albrecht, U.S. Customs and Border Protection.

O Tribunal de Apelações do Nono Circuito permitiu que as mais recentes restrições de asilo da administração Trump entrassem em vigor na sexta-feira (16/08) nos estados fronteiriços do Texas e Novo México, mas não na Califórnia e Arizona, em uma decisão cujo cerne reside na possibilidade de um juiz impor uma liminar em todo o país. A decisão favorável, por 2 votos a 1, resultou de uma nova política federal que impediria a maioria dos migrantes de solicitar asilo na fronteira sul se viajassem pelo México ou outro país onde poderiam ter buscado refúgio.

Com informações do Washington Post.

O juiz distrital estadunidense Jon S. Tigar, nomeado pelo governo Obama no Distrito Norte da Califórnia, interrompeu temporariamente a política em 24 de Julho, dizendo que uma “montanha” de evidências mostrava migrantes ameaçados de extinção.

Mas o tribunal de apelações decidiu que Tigar não havia analisado suficientemente a necessidade de uma liminar em âmbito nacional, e limitou sua liminar ao Arizona e à Califórnia – que estão sob a jurisdição do Nono Circuito – dividindo efetivamente a fronteira de quase 3.000 quilômetros. Milhares de centro-americanos e outros migrantes estão esperando em cidades mexicanas de alto índice criminal para buscar asilo nos Estados Unidos, muitos deles do outro lado da fronteira com o Texas.

O Departamento de Justiça, que pediu ao tribunal federal de apelações para anular totalmente a liminar de Tigar, não comentou imediatamente a decisão.

A secretária de imprensa da Casa Branca, Stephanie Grisham, disse que as autoridades “discordam totalmente” da decisão do tribunal de deixar a liminar parcial, mas ela disse que estava “contente” em seguir adiante com a política em outras partes da fronteira. “Estamos ansiosos para que a liminar seja levantada em sua totalidade no processo de apelação, para que possamos proteger os legítimos solicitantes de asilo, preservar recursos para tratar de suas reivindicações e impedir que migrantes ilegais que contornam as oportunidades regionais de asilo abarrotem nosso sistema de asilo”, afirmou em declaração oficial.

A maioria dos juízes, ambos nomeados por republicanos, disseram na decisão que os advogados do Departamento de Justiça não fizeram a necessária “demonstração forte” sobre os méritos do caso. Mas os juízes disseram que o escopo de uma liminar é uma “questão separada”.

“Aqui, o tribunal distrital falhou em discutir se uma liminar nacional é necessária para remediar os supostos danos dos demandantes”, os juízes, Milan D. Smith Jr., um nomeado do presidente George W. Bush, e Mark J. Bennett, um dos vários juízes que o presidente Trump nomeou para o Nono Circuito, escreveram na decisão. “O tribunal distrital claramente errou ao não considerar se a ajuda nacional é necessária para remediar alegados danos dos requerentes. E, com base no registro limitado diante de nós, não acreditamos que uma liminar nacional seja justificada”.

Os juízes deixaram em aberto a possibilidade de que a American Civil Liberties Union (ACLU), que apresentou o caso em nome de várias organizações sem fins lucrativos, possa apresentar provas adicionais e pedir a Tigar por uma nova liminar nacional. A ACLU disse que planeja fazê-lo imediatamente. “Estamos muito satisfeitos que o tribunal tenha negado o pedido do governo para uma permanência [das restrições de asilo]”, disse Lee Gelernt, advogado da ACLU. “Temos amplas evidências para justificar uma liminar nacional”.

Em uma dissensão com palavras fortes, o juiz A. Wallace Tashima, indicado pelo governo Clinton, disse que a abordagem de “dividir o bebê” da maioria levará a confusões na fronteira e nos tribunais. “A lei de asilo deveria ser administrada de forma diferente no Texas e na Califórnia?”, escreveu ele, dizendo que a liminar deveria se estender por toda a fronteira.

A política de asilo de Trump é um dos esforços mais significativos do atual governo estadunidense para deter os solicitantes de asilo na fronteira sul, e é uma das múltiplas ferramentas que oficiais federais de imigração implantaram para impedir que famílias e outros requerentes de asilo entrem nos Estados Unidos.

Um número recorde de famílias da América Central procurou asilo durante o ano passado, e a maioria foi liberada para aguardar as audiências judiciais – frustrando os esforços de Trump para conter a imigração ilegal.

A Casa Branca disse que a política de asilo e outras são necessárias para fechar “brechas” legais que encorajam os contrabandistas a canalizar as famílias para a fronteira.

Para citar este artigo, use os padrões abaixo.

ABNT:

Redação do Fora!. EUA: Corte federal decide em prol das restrições de asilo de Trump. Fora!. Acessado em 17 de agosto de 2019. Disponível em <https://fora.global/2019/08/17/eua-corte-federal-decide-em-prol-das-restricoes-de-asilo-de-trump/>.

APA:

Redação do Fora!. (17 de agosto de 2019). Fora!. https://fora.global/2019/08/17/eua-corte-federal-decide-em-prol-das-restricoes-de-asilo-de-trump/.

Adaptações na ordem nome-sobrenome, bem como em outros elementos, podem ser necessárias. Se o texto tem co-autores ou se trata de uma tradução, os co-autores/tradutores devem ser revisados manualmente devido a limitações em nosso script.

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*