FAO denuncia que já existem 39 milhões de pessoas famintas na América Latina

Tempo de leitura: 5 minutos
Eve Crowley discursando na Universidad de Magallanes, Chile, em 2016.

O aumento da população que sofre com a fome na América Latina e no Caribe, que atualmente chega a 39 milhões de pessoas, é motivo de preocupação para a FAO, nas palavras de sua representante regional adjunta na área, a antropóloga estadunidense Eve Crowley.

Com informações de Listín Diario.

Em entrevista à Efe, por ocasião de sua visita a Montevidéu para a apresentação de um livro comemorativo dos 68 anos no Uruguai da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO), Crowley descreveu a situação atual na região. “[Fome] É uma tendência muito preocupante porque, depois de décadas de declínio da desnutrição e da fome na região e no mundo, agora há um aumento: na América Latina e no Caribe existem 39 milhões de pessoas que sofrem com a fome”, alertou.

No extremo oposto da desnutrição, a população da região apresenta altos níveis de sobrepeso e obesidade – que, no caso do Uruguai, atinge 65% da população, contra 60% no nível regional. “Temos um objetivo associado à erradicação da desnutrição em todas as suas formas e, atualmente, uma de suas expressões é que em muitos países – não só no país, mas no lar e, às vezes, na mesma pessoa – existem uma combinação de problemas simultâneos: subnutrição, obesidade ou excesso de peso e uma deficiência de micronutrientes como ferro, cálcio, vitaminas A e D”, disse ela.

Em relação ao alto consumo de carne na região, embora a organização reconheça a importância da alimentação e a impulsione, a especialista expressou preocupação com os problemas de saúde associados ao consumo excessivo de proteína animal em déficit do consumo de frutas, verduras, e legumes. “O uso de antibióticos na cadeia de produção de carne e aquicultura é uma grande preocupação para a FAO, OPAS, OMS e OIE, porque sabemos que em 2050 a resistência microbiana será a principal causa de morte no mundo, mais do que o câncer e doenças não transmissíveis”, acrescentou.

De acordo com Crowley, os antibióticos são usados ​​com o objetivo de obter um aumento no crescimento da produção animal e seu consumo faz com que as pessoas se tornem resistentes às drogas, que “quando necessárias para uma pequena ferida não funcionam”. Em relação ao uso de agrotóxicos na região, a especialista disse que “muitas vezes a solução agroquímica pode ser essencial, pois sem ela pode não haver produção. Mas, por outro lado, há quantidades adequadas e tempos de aplicação ideais; com melhor conhecimento, a quantidade de agroquímicos usados ​​na produção pode ser significativamente reduzida”.

Para Crowley, a comida é um problema “intersetorial”, cuja solução depende do “sistema de saúde, dos setores produtivos da economia, da educação e da indústria” e da criação de “políticas públicas”. Do ponto de vista dela, é “extremamente necessário” que os estados apliquem “impostos para alimentos não saudáveis ​​e subsídios para favorecer o consumo de frutas, verduras, legumes e peixes”, bem como promover a agricultura familiar e campanhas educacionais, como o último guia alimentar lançado pelo Ministério da Saúde no Uruguai. “Se os estados não agirem agora, pagarão com seus sistemas públicos de saúde, algo que já está acontecendo com o gasto de milhões de dólares para aliviar doenças não transmissíveis”, disse ela.

Crowley acredita que o mundo entrou em uma quarta revolução industrial, na qual inteligência artificial e tecnologias como “blockchain”, “big data”, seleção genética, entre outras, transformarão o “sistema alimentar”. “Eu diria que, se as empresas agrícolas e de alimentos não olharem para essas inovações tecnológicas, no futuro próximo perderão uma parte importante do mercado”, disse ela.

Para citar este artigo, use os padrões abaixo.

ABNT:

Redação do Fora!. FAO denuncia que já existem 39 milhões de pessoas famintas na América Latina. Fora!. Acessado em 17 de agosto de 2019. Disponível em <https://fora.global/2019/08/17/fao-denuncia-que-ja-existem-39-milhoes-de-pessoas-famintas-na-america-latina/>.

APA:

Redação do Fora!. (17 de agosto de 2019). Fora!. https://fora.global/2019/08/17/fao-denuncia-que-ja-existem-39-milhoes-de-pessoas-famintas-na-america-latina/.

Adaptações na ordem nome-sobrenome, bem como em outros elementos, podem ser necessárias. Se o texto tem co-autores ou se trata de uma tradução, os co-autores/tradutores devem ser revisados manualmente devido a limitações em nosso script.

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*