Irã-EUA-Reino Unido: petroleiro apreendido zarpa de Gibraltar

Tempo de leitura: 6 minutos
Grace 1 em 04 de julho de 2019. Fonte: TRT World/Reuters.

Um navio iraniano mantido em Gibraltar desde julho sob suspeita de transportar petróleo para a Síria deixou o porto. O rastreamento marinho mostra o petroleiro indo para o leste no Mediterrâneo e lista Kalamata, na Grécia, como o destino.

Reportagem traduzida de BBC News.

Gibraltar anteriormente rejeitou um pedido dos EUA para novamente apreender o navio, que mudou seu nome de Grace 1 para Adrian Darya-1. Os EUA fizeram o pedido de última hora na sexta-feira (16/08), um dia depois que Gibraltar suspendeu sua ordem de detenção. Gibraltar disse que não poderia atender ao pedido de Washington de emitir uma nova ordem de detenção porque as sanções dos Estados Unidos contra o Irã não se aplicam à União Europeia.

Teerã disse que estava pronto para despachar uma escolta naval para o Adrian Darya-1. Um petroleiro de bandeira britânica apreendido em julho permanece em mãos iranianas. Houve especulações de uma troca se Grace 1 fosse liberado, apesar das negativas oficiais.

Um porta-voz do Ministério das Relações Exteriores do Irã disse na segunda-feira (19/08) que está aguardando uma ordem judicial antes de qualquer possível liberação do navio, mas disse que “não há conexão alguma” entre as duas apreensões de embarcações. Ele também alertou os EUA para não tentarem apreender o navio em águas internacionais. Na sexta-feira, os EUA emitiram um mandado de apreensão contra o petroleiro, após a recusa de Gibraltar de cumprir o pedido de Washington.

Página do mandado de apreensão do petroleiro Grace 1, emitido pelos EUA.

Não está claro o motivo da embarcação estar a caminho de Kalamata, na Grécia. A Bloomberg falou com dois corretores de navios que sugeriram que as águas do pequeno porto poderiam ser um possível local para transferências de carga de navio para navio. O navio, com 29 tripulantes – da Índia, Rússia, Letônia e Filipinas – foi capturado com a ajuda de fuzileiros navais britânicos em 4 de julho, depois que o governo de Gibraltar – território britânico – sugeriu que estava indo para a Síria em violação de sanções da União Europeia.

A medida provocou uma crise diplomática entre o Reino Unido e o Irã, que aumentou nas últimas semanas e viu o Irã tomar o petroleiro Stena Impero, de bandeira britânica e sueca, no Golfo Pérsico. As autoridades de Gibraltar liberaram a embarcação na quinta-feira (15/08) depois de receber garantias do Irã de que não descarregaria sua carga na Síria. O departamento de justiça dos EUA apresentou um pedido para deter o navio, alegando que tinha ligações com Guarda Revolucionária Islâmica do Irã, que designou como grupo terrorista.

Por que o pedido dos EUA foi negado?

Gibraltar, em um comunicado divulgado no domingo (18/08), disse que não pode cumprir o pedido porque a Guarda Revolucionária Islâmica do Irã não é vista como uma organização terrorista pela União Europeia, da qual o território britânico atualmente faz parte. Também informou que as sanções dos Estados Unidos que impedem as exportações de petróleo do Irã não podem ser aplicadas pela União Europeia, refletindo o que disse serem “as posições e regimes legais muito diferentes nos EUA e na União Europeia”.

Ainda não houve resposta de Washington. O embaixador do Irã na Grã-Bretanha, Hamid Baeidinejad, twittou no domingo que duas equipes especializadas de engenharia estavam a caminho de Gibraltar.

E as relações do Irã com o Ocidente?

O Stena Impero, que foi apreendido pela Guarda Revolucionária em 19 de julho, permanece em mãos iranianas. O Reino Unido já anunciou que se uniria a uma força-tarefa liderada pelos EUA para proteger os navios mercantes que viajam pela principal rota marítima no Estreito de Hormuz.

As tensões entre o Irã e o Ocidente podem ser atribuídas ao ressurgimento de outra crise – a do programa nuclear do Irã. No ano passado Washington se retirou de um acordo, de 2015, para limitar as atividades nucleares do Irã, em meio a suspeitas de que Teerã ainda estivesse tentando desenvolver armas nucleares – algo que o Irã sempre negou. Desde então as tensões entre os Estados Unidos e o Irã aumentaram depois que Washington impôs e, mais tarde, reforçou, suas sanções contra o país.

O Reino Unido e outros países europeus disseram que continuam comprometidos com o acordo.

Para citar este artigo, use os padrões abaixo.

ABNT:

Redação do Fora!. Irã-EUA-Reino Unido: petroleiro apreendido zarpa de Gibraltar. Fora!. Acessado em 19 de agosto de 2019. Disponível em <https://fora.global/2019/08/19/ira-eua-reino-unido-petroleiro-apreendido-zarpa-de-gibraltar/>.

APA:

Redação do Fora!. (19 de agosto de 2019). Fora!. https://fora.global/2019/08/19/ira-eua-reino-unido-petroleiro-apreendido-zarpa-de-gibraltar/.

Adaptações na ordem nome-sobrenome, bem como em outros elementos, podem ser necessárias. Se o texto tem co-autores ou se trata de uma tradução, os co-autores/tradutores devem ser revisados manualmente devido a limitações em nosso script.

One Comment

  1. Pingback: Austrália: país irá se unir a esforço militar no Estreito de Omã – Fora!

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*