Portugal: Governo declara fim da crise energética

Tempo de leitura: 2 minutos
Foto: Mário Cruz [Lusa].

Conselho de Ministros formalizará decisão de pôr fim à crise energética, a partir da meia-noite. O primeiro-ministro, António Costa, anunciou esta manhã o fim da crise energética às 24 horas de hoje, após uma reunião na entidade para o setor energético, em Lisboa. A crise se iniciou devido à greve de motoristas de matérias perigosas, declarada há 9 dias, o que levou o país a uma escassez de combustíveis.

Com informações de SIC Notícias e da Lusa.

O Chefe de Governo estimou também ser possível aumentar o limite de consumo de combustível para o público em geral para 25 litros. A declaração de situação de crise energética teve como finalidade garantir os abastecimentos essenciais à defesa, ao funcionamento do Estado e aos setores prioritários da economia, bem como aos serviços essenciais de interesse público.

O Sindicato Nacional dos Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP) anunciou no domingo (18/08) que decidiu desconvocar a greve, que se iniciou na segunda-feira anterior (12/08). A decisão, anunciada pelo presidente do sindicato, Francisco São Bento, foi tomada durante uma plenária de trabalhadores do sindicato, que ocorreu no domingo à tarde em Aveiras de Cima. O Governo confirmou hoje que está marcada uma reunião a ser realizada na terça-feira, no Ministério das Infraestruturas e Habitação, em Lisboa, com vista à retomada das negociações.

Para citar este artigo, use os padrões abaixo.

ABNT:

Redação do Fora!. Portugal: Governo declara fim da crise energética. Fora!. Acessado em 19 de agosto de 2019. Disponível em <https://fora.global/2019/08/19/portugal-governo-declara-fim-da-crise-energetica/>.

APA:

Redação do Fora!. (19 de agosto de 2019). Fora!. https://fora.global/2019/08/19/portugal-governo-declara-fim-da-crise-energetica/.

Adaptações na ordem nome-sobrenome, bem como em outros elementos, podem ser necessárias. Se o texto tem co-autores ou se trata de uma tradução, os co-autores/tradutores devem ser revisados manualmente devido a limitações em nosso script.

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*