Reino Unido: Boris Johnson pede à rainha suspensão do parlamento; monarca aprova

Tempo de leitura: 4 minutos
Fonte da imagem: Wikimedia Commons.

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, pediu à rainha Elizabeth II permissão para suspender o parlamento por cinco semanas, ou seja, quase até à data marcada para o “Brexit” (31 de outubro).

Atualização (em 28/08, 11:53): O jornal britânico The Guardian informou que a rainha consentiu com o pedido de Boris Johnson. Protestos estão sendo convocados em Londres por diversos grupos. Notícia original segue abaixo.

Com informações de Público, SIC Notícias e Expresso.

O governo de Boris Johnson, primeiro-ministro inglês, vai pedir à rainha que suspenda o parlamento poucos dias após o regresso dos deputados ao trabalho.

O prazo para a assinatura de um acordo que possa manter o Reino Unido com alguma ligação à União Europeia está se estreitando, tornando improvável que os parlamentares tenham tempo de aprovar leis que possam impedir o uma saída sem acordo (“no-deal Brexit”) em tempo útil.

“Os deputados terão muito tempo para debater”, declarou Johnson em uma transmissão televisiva da Sky News. A medida já tinha sido anunciada por alguns veículos de comunicação britânicos, provocando uma queda da libra esterlina e críticas da oposição. Em sua campanha, Johnson afirmou que o Reino Unido sairia “impreterivelmente” da União Europeia até 31 de outubro.

Se confirmado, as sessões legislativas serão suspensas de 10 de setembro até 14 de outubro, quando os trabalhos seriam reiniciados com o tradicional discurso de abertura do legislativo feito pela rainha. Caso não se confirme, as sessões se iniciarão em 03 de setembro. Segundo Ana França, do jornal português Expresso, “suspender o parlamento para, desta forma, passar uma saída sem acordo seria um ato incendiário”, tendo em vista que o Reino Unido não possui uma constituição escrita e sim um conjunto de regras e atos parlamentares que, juntos, formam as leis fundamentais do país e permitem seu funcionamento. De qualquer forma, a ideia de Boris Johnson não é ilegal pelas normas do Reino Unido.

O vice-líder dos trabalhistas, Tom Watson, escreveu no Twitter que a medida é uma “afronta escandalosa à democracia”. A primeira-ministra da Escócia, Nicola Sturgeon, disse que os parlamentares devem unir-se para impedir o plano, ou então este dia “vai entrar para a história como algo sombrio para a democracia britânica”.

O orador (“speaker”) do parlamento britânico, John Bercow, ficou “indignado” com a sugestão de Johnson e a classificou como uma “afronta”.

O Brexit chegou a ser tema das discussões no último encontro do G7, em Biarritz (França), mas nenhuma conclusão foi obtida.

Para citar este artigo, use os padrões abaixo.

ABNT:

Redação do Fora!. Reino Unido: Boris Johnson pede à rainha suspensão do parlamento; monarca aprova. Fora!. Acessado em 28 de agosto de 2019. Disponível em <https://fora.global/2019/08/28/reino-unido-boris-johnson-pede-a-rainha-suspensao-do-parlamento/>.

APA:

Redação do Fora!. (28 de agosto de 2019). Fora!. https://fora.global/2019/08/28/reino-unido-boris-johnson-pede-a-rainha-suspensao-do-parlamento/.

Adaptações na ordem nome-sobrenome, bem como em outros elementos, podem ser necessárias. Se o texto tem co-autores ou se trata de uma tradução, os co-autores/tradutores devem ser revisados manualmente devido a limitações em nosso script.

One Comment

  1. Pingback: Escócia: líder do partido conservador abandona cargo | Fora!

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*