China: governo americano coloca restrições de visto a autoridades chinesas

Tempo de leitura: 4 minutos
Presidente chinês Xi Jinping. Fonte: Wikimedia Commons. Foto: kremlin.ru

Com informações da CNBC

A administração de Trump decidiu impor restrições de visto nesta terça (08) à autoridades chinesas após episódios de abuso da minoria muçulmana na região de Xinjiang. O movimento adiciona ainda mais tensão na guerra comercial entre os dois países, com conversas para resolver o impasse em dois dias em Washington.

O Secretário de Estado Mike Pompeo disse que a medida atinge autoridades “que acreditamos serem responsáveis por, ou cúmplices, de detenção e abuso de Uighurs, Kazakhs ou outros grupos minoritários muçulmanos” no nordeste da China. Essa decisão segue na esteira de uma anterior, feita nessa segunda (07), de colocar na lista negra 28 entidades e empresas de segurança pública que supostamente estão envolvidas na vigilância e detenção de grupos minoritários, restringindo efetivamente as empresas americanas de fazer negócios com eles.

Pompeo fez um pedido direto ao governo chinês para encerrar a repressão. “Os Estados Unidos exortam a República Popular da China a encerrar imediatamente sua campanha de repressão em Xinjiang, a libertar todos os detidos arbitrariamente e a interromper os esforços para coagir membros de minorias muçulmanas chinesas residentes no exterior a retornarem à China para enfrentar um destino incerto”, disse o principal diplomata dos EUA em comunicado.

A medida aumenta as tensões entre os EUA e a China apenas dois dias antes do início das negociações comerciais de alto risco na quinta-feira, em Washington. O desconforto aumentou nesta semana, mesmo quando as duas maiores economias do mundo esperam fechar um acordo para acabar com uma guerra comercial prejudicial.

O governo chinês respondeu ao comentar sobre as sanções impostas pelo EUA, além de pedir que o governo americano pare de interferir em questões internas.

“Pedimos fortemente aos EUA que parem imediatamente de fazer comentários irresponsáveis ​​sobre a questão de Xinjiang” e “parem de interferir nos assuntos internos da China e removam entidades chinesas relevantes da lista de entidades o mais rápido possível”, declarou um porta-voz do governo chinês.

Grupos de direitos humanos afirmam que a China se envolveu em detenções arbitrárias, vigilância e tortura de uigures e outras minorias muçulmanas. As autoridades detiveram pelo menos 1 milhão de pessoas em campos na região de Xinjiang. Nos últimos dias os EUA aumentaram sua pressão sobre a China para acabar com os abusos. As mudanças dos departamentos de Estado e Comércio são apenas os últimos pontos de inflamação em um relacionamento tenso entre Washington e Pequim.

Também nesta semana, organizações e empresas na China começaram a interromper o relacionamento com a National Basketball Association (NBA) depois que o gerente geral do Houston Rockets, Daryl Morey, twittou em apoio ao movimento pró-democracia em Hong Kong. O regime comunista da China se opôs ao movimento de autodeterminação em Hong Kong.

Para citar este artigo, use os padrões abaixo.

ABNT:

Flávio Henrique Soeiro de Castro. China: governo americano coloca restrições de visto a autoridades chinesas. Fora!. Acessado em 8 de outubro de 2019. Disponível em <https://fora.global/2019/10/08/china-governo-americano-coloca-restricoes-de-visto-a-autoridades-chinesas/>.

APA:

Flávio Henrique Soeiro de Castro. (8 de outubro de 2019). Fora!. https://fora.global/2019/10/08/china-governo-americano-coloca-restricoes-de-visto-a-autoridades-chinesas/.

Adaptações na ordem nome-sobrenome, bem como em outros elementos, podem ser necessárias. Se o texto tem co-autores ou se trata de uma tradução, os co-autores/tradutores devem ser revisados manualmente devido a limitações em nosso script.

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*