Líbano: primeiro-ministro renuncia

Tempo de leitura: 4 minutos
Hariri entrega a sua carta de demissão a Aoun. Foto: Dalati Nohra.

O primeiro-ministro libanês Saad Hariri apresentou hoje sua renúncia ao presidente da República, Michel Aoun, o que era exigido por dezenas de milhares de libaneses desde 17 de outubro. Essa decisão ocorre horas depois de um ataque violento dos apoiadores do Hezbollah e do Amal contra manifestantes antigovernamentais no centro de Beirute.

“Os libaneses estão esperando 13 dias para que um acordo político termine o colapso. Durante esse período, tentei encontrar uma saída para a crise que atenda às demandas do povo e, ao mesmo tempo, proteja o país dos perigos de segurança e econômicos. Mas cheguei hoje em um beco sem saída e tornou-se necessário criar um grande choque para sair da crise. Hoje vou ao palácio de Baabda para entregar a renúncia do meu governo ao Presidente da República Michel Aoun, como pedem na rua”, disse Hariri em um breve discurso ao vivo antes de ir para Baabda. “Os postos não são permanentes, o importante é a dignidade e a segurança do país e ninguém é maior que o país”, complementou. “Apelo a todas as partes para que tornem sua prioridade a segurança do Líbano e evitem um colapso econômico”. “Aos meus parceiros políticos, digo que hoje nossa responsabilidade é ver como proteger o Líbano e impedir que o fogo o atinja. Hoje existe uma oportunidade séria que não devemos perder”.

Algumas horas depois, em uma conversa casual com jornalistas da Center House, Hariri expressou seu “alívio por ter oferecido algo aos libaneses”, sem querer dizer mais nada.

O anúncio televisionado de Hariri foi recebido com aplausos da multidão, que o ouviu em vários locais de reunião. Em seguida, o hino nacional foi cantado pelos manifestantes. Fogos de artifício foram disparados imediatamente em Beirute, enquanto carros cruzavam a cidade tocando buzinas como sinal de vitória.

Hariri não planejava renunciar para poupar o país de uma nova vacância no governo, como foi declarado por fontes próximas ao primeiro-ministro. Segundo as mesmas fontes, Hariri estava “em busca de garantias para confirmar a formação de um novo gabinete o mais rápido possível, e é principalmente dessas garantias que depende a demissão de Hariri”. Também há especulações sobre interferência política do ocidente.

Essa renúncia ocorre apesar da clara oposição do Hezbollah à decisão. Na sexta-feira, o secretário-geral do partido xiita, Hassan Nasrallah, se recusou a derrubar o gabinete e o mandato do presidente Aoun, bem como a organização de eleições parlamentares antecipadas, como era exigido pelos manifestantes. Ele alertou contra o caos, um colapso econômico do país e até o início de uma nova guerra civil em caso de vacância no governo.

Para citar este artigo, use os padrões abaixo.

ABNT:

Redação do Fora!. Líbano: primeiro-ministro renuncia. Fora!. Acessado em 29 de outubro de 2019. Disponível em <https://fora.global/2019/10/29/libano-primeiro-ministro-renuncia/>.

APA:

Redação do Fora!. (29 de outubro de 2019). Fora!. https://fora.global/2019/10/29/libano-primeiro-ministro-renuncia/.

Adaptações na ordem nome-sobrenome, bem como em outros elementos, podem ser necessárias. Se o texto tem co-autores ou se trata de uma tradução, os co-autores/tradutores devem ser revisados manualmente devido a limitações em nosso script.

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*