Israel: Netanyahu é indiciado por suborno, fraude e quebra de confiança

Tempo de leitura: 3 minutos
Primeiro-ministro de Israel Benjamin Netanyahu. Foto: en.kremlin.ru

Com informações do El País e Reuters

O primeiro ministro israelense Benjamin Netanyahu foi indiciado pelos crimes de suborno, fraude e quebra de confiança nesta quinta-feira (21/11). O procurador-geral de Israel, Avichai Mandelblit, anunciou a decisão que pode comprometer ainda mais a formação do governo no país.

É a primeira vez que um premiê no país é indiciado ainda no cargo. Contudo, Netanyahu não é legalmente obrigado a renunciar do seu mandato – apenas se for condenado. E, caso seja condenado, pode pegar 10 anos de prisão pelo suborno e até três anos por quebra de confiança e fraude.

As investigações são conhecidas pelos nomes “Caso 1000”, “Caso 2000” e “Caso 4000”. No primeiro caso, o premiê é acusado de aceitar indevidamente presentes de Arnon Milchan e James Packer, cujos valores passam de um milhão de reais. No “Caso 2000”, a alegação é que Netanyahu trocou favores com o jornal israelense “Yedioth Ahronot”. O primeiro-ministro propôs uma legislação na qual ele retardaria o crescimento de um jornal concorrente enquanto receberia uma melhor cobertura do “Yedioth Ahronot”.

O terceiro caso envolve uma ligação ilícita entre Netanyahu e a principal empresa de telecomunicações do país, a Bezeq Telecom Israel, na qual o líder do Estado judeu pediu cobertura positiva dele e da sua esposa em troca de marcos regulatórios favoráveis para a empresa.

Mandelblit disse à imprensa que “não há lugar para o suborno e a fraude na vida pública. É um dia triste para o país e para mim em particular”.

Em pronunciamento na TV, Netanyahu criticou as investigações dizendo que se tratava de uma tentativa de golpe contra ele. “Eles não estavam atrás da verdade, estavam atrás de mim”, afirmou. “Este é um dia triste. Você precisa ser cego para não ver que algo de ruim está acontecendo no sistema legal”, adicionou.

As acusações podem influenciar na difícil negociação e formação do novo governo. O líder do partido Azul e Branco, Benny Grantz, disse nessa quarta (20) que não conseguiu a coalizão para formar governo. O Knesset, parlamento israelense, tem um prazo de 21 dias para escolher um nome que consiga 61 cadeiras das 120 disponíveis da casa. Caso não consiga, o país terá novas eleições – pela terceira vez este ano.

Para citar este artigo, use os padrões abaixo.

ABNT:

Flávio Henrique Soeiro de Castro. Israel: Netanyahu é indiciado por suborno, fraude e quebra de confiança. Fora!. Acessado em 21 de novembro de 2019. Disponível em <https://fora.global/2019/11/21/israel-netanyahu-e-indiciado-por-suborno-fraude-e-quebra-de-confianca/>.

APA:

Flávio Henrique Soeiro de Castro. (21 de novembro de 2019). Fora!. https://fora.global/2019/11/21/israel-netanyahu-e-indiciado-por-suborno-fraude-e-quebra-de-confianca/.

Adaptações na ordem nome-sobrenome, bem como em outros elementos, podem ser necessárias. Se o texto tem co-autores ou se trata de uma tradução, os co-autores/tradutores devem ser revisados manualmente devido a limitações em nosso script.

One Comment

  1. Pingback: Israel: Netanyahu é indiciado por suborno, fraude e quebra de confiança - CyOrgs Notícias

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*