Chile: novos protestos rompem toque de recolher decorrente da quarentena

Tempo de leitura: 4 minutos
Choque entre manifestantes e policiais em um bairro de Santiago no Chile. Fonte: Ivan Alvarado/ Reuters.

Em meio à pandemia de COVID-19 e a declaração de estado de catástrofe, o Chile tem atravessado um novo ciclo de protestos nesta semana. Na noite de terça-feira, 19 de maio, a polícia chilena informou que 483 pessoas foram detidas em nível nacional durante os protestos mediante violação do toque de recolher declarado pelo estado de catástrofe. O que motivou o retorno dos protestos, até então ausentes devido aos efeitos da pandemia, teria sido o anúncio do governo do atraso no envio de caixas com alimentos destinada a bairros pobres de Santiago.

A capital, Santiago, tem sido o epicentro dos distúrbios que começaram no bairro de El Bosque, que também tem sido um dos focos principais dos protestos. Outros bairros como Maipú, Ñuñoa, Santiago, Renca, Peñalolén, La Granja, La Pintana e San Ramón. Para além da capital, outras cidades também tem assistido protestos como Osorno, cidade localizada ao sul do país.

O que tem motivado os protestos seriam focos de indigência que têm surgido em meio à pandemia e que seriam resultado não apenas da quarentena, mas também das deficiências do governo em atender os bairros mais pobres. O estopim dos protestos decorreu do anúncio do governo chileno de que a remessa de 2,5 milhões de caixas de itens básicos destinada aos rincões pobres de Santiago só estariam disponíveis no mercado no dia 22 de maio. A ausência desses produtos no território da Grande Santiago já se faz sentir desde o dia 15 de maio e o prolongamento tem aumentado a sensação de fome na cidade. O alerta da fome está onipresente nos protestos, ilustrando desde projeções em edifícios até um vídeo de convocação, onde um manifestante declara: “nossa gente está passando fome e vamos sair às ruas”. Na terça-feira, dia 19 de maio, dentre os detidos pela polícia, estavam quatro indivíduos que tentaram saquear um açougue no bairro de Quilicura.

Embora a fome tenha sido a principal bandeira, o contexto dos protestos responde não apenas à tensão social que se encontra no país desde o ano passado, mas também ao despreparo do governo chileno em lidar com a quarentena mediante a pandemia. Uma reportagem do site chileno Interferencia nos bairros afetados pelos protestos identificou que muitos dos manifestantes denunciam a negligência do governo em atender à demanda das comunidades carentes durante a quarentena. Não apenas da indigência, mas questões referentes ao narcotráfico e à falência do atendimento de saúde têm sido acentuadas durante o período.

Apesar de exceções como o Interferencia, os protestos têm sido ignorados pela imprensa chilena. No máximo, os veículos se limitam a noticiar como meras quebras do toque de recolher.

Para citar este artigo, use os padrões abaixo.

ABNT:

Gabriel Caio Corrêa Borges. Chile: novos protestos rompem toque de recolher decorrente da quarentena. Fora!. Acessado em 20 de maio de 2020. Disponível em <https://fora.global/2020/05/20/chile-novos-protestos-rompem-toque-de-recolher-decorrente-da-quarentena/>.

APA:

Gabriel Caio Corrêa Borges. (20 de maio de 2020). Fora!. https://fora.global/2020/05/20/chile-novos-protestos-rompem-toque-de-recolher-decorrente-da-quarentena/.

Adaptações na ordem nome-sobrenome, bem como em outros elementos, podem ser necessárias. Se o texto tem co-autores ou se trata de uma tradução, os co-autores/tradutores devem ser revisados manualmente devido a limitações em nosso script.

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*