EUA endurece medidas contra o Irã e pode afetar Rússia, China e países europeus

Tempo de leitura: 3 minutos

O Departamento de Estado dos EUA anunciou na quarta-feira que começaria a impor sanções econômicas a empresas estrangeiras que trabalham em instalações nucleares iranianas, no mais recente esforço do governo Trump para desmantelar um acordo da era Obama com Teerã.

Empresas da Rússia, China e da Europa terão 60 dias para encerrar suas operações, convertendo usinas nucleares para fins pacíficos, conforme permitido no acordo de 2015 entre o Irã e as potências mundiais.

As autoridades americanas descreveram a medida como um passo necessário na campanha de pressão do presidente Trump para impedir o Irã de construir uma arma nuclear, bem como limitar as agressões de Teerã no restante do Oriente Médio.

Mas a decisão também abandona a última parte do acordo nuclear de 2015 que Trump permitiu que permanecesse em vigor. Ele não permite mais que trabalhadores internacionais ajudem a converter reatores e evitem a produção de combustível para armas, nem podem ficar de olho nos programas nucleares para garantir que o Irã não possa violar secretamente o acordo.

Os Estados Unidos se retiraram do acordo nuclear há dois anos. Desde então, o governo implantou uma mistura de pressões diplomáticas, sanções econômicas e ameaças militares para pressionar o Irã a negociar um novo acordo que o presidente e seus assessores esperam que vá além: não apenas limitando seu programa nuclear, mas também restringindo seus sistemas de mísseis balísticos, assim como interromper o apoio às milícias em atividade no Iraque, na Síria, no Líbano e no Iêmen.

Fontes disseram que os EUA forneceriam 60 dias para encerrar as atividades internacionais – que foram projetadas para tornar o programa nuclear iraniano menos capaz de produzir armas – em suas usinas nucleares e centros de pesquisa. Também afirmaram que haverá um prazo de 90 dias para apoio internacional ao reator nuclear construído pela Rússia em Bushehr.

Não ficou imediatamente claro o motivo pelo qual Washington decidiu desistir aplicar tais medidas, que foram repetidamente adiadas após a retirada do acordo nuclear.

Para citar este artigo, use os padrões abaixo.

ABNT:

Redação do Fora!. EUA endurece medidas contra o Irã e pode afetar Rússia, China e países europeus. Fora!. Acessado em 28 de maio de 2020. Disponível em <https://fora.global/2020/05/28/eua-endurece-medidas-contra-o-ira-e-pode-afetar-russia-china-e-paises-europeus/>.

APA:

Redação do Fora!. (28 de maio de 2020). Fora!. https://fora.global/2020/05/28/eua-endurece-medidas-contra-o-ira-e-pode-afetar-russia-china-e-paises-europeus/.

Adaptações na ordem nome-sobrenome, bem como em outros elementos, podem ser necessárias. Se o texto tem co-autores ou se trata de uma tradução, os co-autores/tradutores devem ser revisados manualmente devido a limitações em nosso script.

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*