Coréia do Norte suspende planos de aumento da pressão militar contra Coréia do Sul

Tempo de leitura: 4 minutos
Foto: AsiaNews.

A Coréia do Norte suspendeu os planos de aumentar a pressão militar contra a Coréia do Sul, depois de semanas de deterioração nas relações diplomáticas entre os dois países – que incluíram a demolição de um escritório de ligação usado para negociações entre os dois lados.

A decisão vem após uma reunião entre o líder norte-coreano Kim Jong-un e a comissão militar central na terça-feira, que “fez um balanço da situação prevalecente”, segundo a agência oficial de notícias norte-coreana (KCNA).

Os possíveis planos incluiriam implantar unidades militares na área turística do Monte Kumgang e na Zona Industrial Kaesong, que faz fronteira com a Coréia do Sul, e a criação de postos policiais que haviam sido retirados anteriormente da zona desmilitarizada (DMZ) entre os dois países “para fortalecer a guarda na linha de frente “, de acordo com reportagens anteriores da KCNA.

Nenhuma razão foi dada para o aparente recuo.

O Norte sinalizou seus planos iniciais para aumentar a pressão militar depois que um grupo de desertores do Sul usou balões para enviar folhetos anti-nortecoreanos através da zona desmilitarizada.

A Coréia do Norte alegou que os folhetos violaram o acordo que Kim e o presidente sul-coreano, Moon Jae-in, selaram em 2018 em sua primeira cúpula, quando ambos os líderes concordaram em cessar “todos os atos hostis e eliminar seus meios, incluindo a transmissão por meio de alto-falantes e distribuição de folhetos” ao longo de sua fronteira compartilhada.

Na noite de segunda-feira, um grupo de desertores na Coréia do Sul enviou ao norte mais 500.000 folhetos sobre “a verdade da Guerra da Coréia”. O grupo disse que também enviou 500 folhetos sobre a “Coréia do Sul bem-sucedida”, 2.000 notas de um dólar americano e 1.000 cartões SD, usando os 20 balões.

Em retaliação à entrega de folhetos, a Coréia do Norte cortou as linhas de comunicação com o Sul e explodiu o escritório de ligação conjunto, localizado na cidade de Kaesong, a norte da zona desmilitarizada.

Embora o escritório estivesse fechado por causa do coronavírus e a equipe sul-coreana não estivesse no prédio desde então, a destruição foi simbólica, pois o escritório deveria facilitar o diálogo entre os dois países.

Além de ameaçar o aumento da pressão militar, o Exército Popular Coreano reinstalou os alto-falantes na fronteira e indicou que lançaria uma campanha de propaganda própria, enviando milhões de folhetos para o sul.

Embora o Norte tenha delineado suas ações nas últimas semanas como retaliatórias, Pyongyang manifestou durante meses desagrado por sua intensificação da diplomacia com a Coréia do Sul e com os Estados Unidos não ter resultado no alívio das sanções que prejudicam a economia norte-coreana.

As negociações entre os países permaneceram infrutíferas nos meses que se seguiram a três cúpulas inter-coreanas, em 2018. Especialistas dizem que é possível que a Coréia do Norte esteja usando o impasse atual para fabricar uma crise, a fim de ganhar vantagem em qualquer negociação futura – uma estratégia que já empregou anteriormente em negociações diplomáticas.

Para citar este artigo, use os padrões abaixo.

ABNT:

Redação do Fora!. Coréia do Norte suspende planos de aumento da pressão militar contra Coréia do Sul. Fora!. Acessado em 25 de junho de 2020. Disponível em <https://fora.global/2020/06/25/coreia-do-norte-suspende-planos-de-aumento-da-pressao-militar-contra-coreia-do-sul/>.

APA:

Redação do Fora!. (25 de junho de 2020). Fora!. https://fora.global/2020/06/25/coreia-do-norte-suspende-planos-de-aumento-da-pressao-militar-contra-coreia-do-sul/.

Adaptações na ordem nome-sobrenome, bem como em outros elementos, podem ser necessárias. Se o texto tem co-autores ou se trata de uma tradução, os co-autores/tradutores devem ser revisados manualmente devido a limitações em nosso script.

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*