Líbia: chefe do parlamento do leste pede ao Egito que intervenha se Sirte for atacada

Tempo de leitura: 4 minutos
Foto: AFP.

O chefe do parlamento do leste da Líbia pediu ao Cairo que responda militarmente se as forças aliadas do governo de acordo nacional atacarem Sirte.

Com informações de Al-Jazeera.

Aguila Saleh pediu ao Egito que intervenha militarmente se forças aliadas ao Governo de Acordo Nacional (GNA, na sigla em inglês), reconhecido internacionalmente, atacarem a cidade estratégica de Sirte, informou a agência de notícias estatal do Egito.

Uma intervenção egípcia na Líbia seria “legítima… se as milícias armadas e terroristas cruzassem a linha vermelha”, disse Aguila Saleh, segundo a agência oficial de notícias MENA, na quarta-feira.

“O povo líbio está pedindo oficialmente que o Egito interfira com forças militares se as necessidades de manutenção da segurança nacional da Líbia e da segurança nacional egípcia exigirem isso”.

A Líbia, uma importante produtora de petróleo, está em caos desde o levante apoiado pela OTAN em 2011, que derrubou e matou o antigo governante, Muammar Gaddafi. Entenda o conflito com nossas matérias anteriores sobre a Líbia.

Desde 2014, o país está dividido entre facções rivais: uma com base na capital, Trípoli, e outra no leste, em uma guerra às vezes caótica que atraiu potências externas e uma inundação de armas e mercenários estrangeiros.

As forças do leste do país, comandadas por Khalifa Haftar, lançaram uma ofensiva em abril do ano passado para tentar capturar Trípoli.

As forças de Haftar, apoiadas pelos Emirados Árabes Unidos, Egito e Rússia, foram forçadas a se retirar de grande parte do oeste da Líbia nas últimas semanas, depois que a Turquia intensificou seu apoio ao governo do primeiro-ministro Fayez al-Sarraj, apoiado pela ONU.

Impulsionadas por suas recentes vitórias no campo de batalha, as forças alinhadas ao GNA disseram que interromperiam seu avanço depois de retomar Sirte, uma cidade de cerca de 125.000 habitantes na costa do Mediterrâneo, e a base aérea de Jufra.

O presidente egípcio, Abdel Fattah el-Sisi, no entanto, alertou no fim de semana que qualquer ataque a Sirte ou Jufra equivaleria a cruzar uma “linha vermelha”. Ele disse que o Egito pode intervir militarmente para proteger sua fronteira ocidental com o país rico em petróleo.

Em resposta, o GNA disse que considerava os comentários de el-Sisi uma “declaração de guerra”. A ameaça de El-Sisi levou a Itália, a Alemanha e os Estados Unidos a pressionarem por um cessar-fogo, temendo uma guerra ainda mais ampla. Os ministros das Relações Exteriores da Liga Árabe também alertaram contra uma “continuação da ação militar que altera as linhas de frente existentes” na Líbia.

Na quarta-feira, o ministro das Relações Exteriores da Itália, Luigi Di Maio, visitou Trípoli, onde conheceu al-Sarraj. Um comunicado do escritório do GNA disse que os dois homens rejeitaram “a interferência estrangeira negativa” na Líbia. Eles também discutiram a operação naval da União Europeia no Mediterrâneo, que visa impor um embargo de armas da ONU à Líbia, disse o comunicado, sem fornecer detalhes.

Di Maio disse aos repórteres, após seu retorno a Roma, que ele transmitiu a al-Sarraj as preocupações da Itália sobre um possível ataque a Sirte, que ele disse que poderia levar a novos combates e mais vítimas civis. “Afirmei como é essencial evitar um congelamento no conflito e que essa possibilidade levaria a uma divisão de fato do país”, afirmou.

O país dividido em dois seria “inaceitável” e levaria a mais conflitos, acrescentou.

Para citar este artigo, use os padrões abaixo.

ABNT:

Redação do Fora!. Líbia: chefe do parlamento do leste pede ao Egito que intervenha se Sirte for atacada. Fora!. Acessado em 25 de junho de 2020. Disponível em <https://fora.global/2020/06/25/libia-chefe-do-parlamento-do-leste-pede-ao-egito-que-intervenha-se-sirte-for-atacada/>.

APA:

Redação do Fora!. (25 de junho de 2020). Fora!. https://fora.global/2020/06/25/libia-chefe-do-parlamento-do-leste-pede-ao-egito-que-intervenha-se-sirte-for-atacada/.

Adaptações na ordem nome-sobrenome, bem como em outros elementos, podem ser necessárias. Se o texto tem co-autores ou se trata de uma tradução, os co-autores/tradutores devem ser revisados manualmente devido a limitações em nosso script.

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*