Bolívia: eleição presidencial é marcada para setembro

Tempo de leitura: 4 minutos
O presidente do Tribunal Superior Eleitoral da Bolívia: Salvador Romero. Fonte: Twitter/Rádio FM Bolívia.

O novo calendário eleitoral para as eleições na Bolívia foi divulgado na manhã de hoje, sexta-feira, 26 de junho, pelo Tribunal Superior Eleitoral do país. De acordo com o novo cronograma, a população boliviana irá às urnas no dia 6 de setembro para eleger o novo presidente do país. Caso o resultado leve a um segundo turno, este será marcado para o dia 18 de outubro.

Além da eleição para presidente, a Bolívia também elegerá no pleito deste ano os cargos voltados ao legislativo federal. Isso corresponde a 36 senadores e 120 deputados. A data para a posse dos eleitos, inclusive o presidente e o vice-presidente, está prevista entre os dias 16 a 30 de novembro.

O novo calendário eleitoral vem marcado por polêmica entre os diferentes poderes da república boliviana. Mais explicitamente por parte da presidente interina do país, Jeanine Áñes, que tem manifestado discordância com a decisão de marcar as eleições para setembro deste ano. Áñes utiliza como argumento o problema da pandemia do novo coronavírus, e manifesta que setembro corresponderá ao ápice das contaminações e mortes no país.

“Possivelmente não poderemos ir às urnas” em setembro, declarou o diretor de Epidemologia do Ministério da Saúde boliviano, Virgilio Prieto, em relação ao avanço do COVID-19 no país. Atualmente a Bolívia possui 25.000 contagiados e 820 óbitos decorrentes do vírus. O Ministério da Saúde projetou para julho que o número de falecidos pode saltar para algo entre 4.000 a 7.000. “Não há um único departamento que não tenha começado uma subida na curva, tampouco estão estabilizando, todos estão com os indicadores em elevação”, declarou Prieto, se referindo às unidades de divisão do país, conhecidas com departamentos.

O presidente do TSE boliviano, Salvador Romero, respondeu às críticas do Executivo comparando o processo eleitoral com uma operação bancária. “Há muitas semelhanças”, declarou Romero em referência ao fato de que os bancos continuam abertos apesar da quarentena anunciada no país.

Para além das controvérsias ditadas pelo problema do coronavírus, as novas eleições na Bolívia são um tema sensível por sucederem a eleição de 2019, anulada devido à acusação de fraude contra o ex-presidente Evo Morales e a subsequente deposição deste. Embora o ex-presidente esteja impedido de participar da nova eleição, seu partido, o Movimento para o Socialismo (MAS), lidera as estimativas para o pleito presidencial com seu candidato, Luis Arce, como favorito, com 33% das pretensões de voto. Arce é seguido pelo centrista Carlos Mesa, com 18,3% das pretensões de voto, e da própria Áñes, com 16,9%.

Para citar este artigo, use os padrões abaixo.

ABNT:

Gabriel Caio Corrêa Borges. Bolívia: eleição presidencial é marcada para setembro. Fora!. Acessado em 26 de junho de 2020. Disponível em <https://fora.global/2020/06/26/bolivia-eleicao-presidencial-e-marcada-para-setembro/>.

APA:

Gabriel Caio Corrêa Borges. (26 de junho de 2020). Fora!. https://fora.global/2020/06/26/bolivia-eleicao-presidencial-e-marcada-para-setembro/.

Adaptações na ordem nome-sobrenome, bem como em outros elementos, podem ser necessárias. Se o texto tem co-autores ou se trata de uma tradução, os co-autores/tradutores devem ser revisados manualmente devido a limitações em nosso script.

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*