China: EUA rejeita reinvidicação chinesa sobre domínio territorial no Mar da China Meridional

Tempo de leitura: 5 minutos
Reivindicações territoriais no mar da China Meridional.

Com informações da Al Jazeera e CNN.

Os Estados Unidos rejeitaram, nessa segunda-feira (13/07), as reivindicações territoriais da China no Mar da China Meridional. Pequim respondeu, dizendo que Washington estava tentando inflamar as tensões na disputa sobre o domínio da região.

Mike Pompeo, Secretário de Estado do governo estadunidense, disse ontem que não há base legal do pedido realizado pelo governo chinês, além de acusar a China de intimidar outros países que também reinvidicam o controle do mar.

“Estamos deixando claro: as reivindicações de Pequim para recursos offshore na maior parte do Mar da China Meridional são completamente ilegais, assim como sua campanha de bullying para controlá-los”, afirmou Pompeo em comunicado.

Em resposta, a embaixada chinesa nos EUA descreveu o anúncio como “completamente injustificado” e acusou Washington de alimentar atritos.

Em Pequim, Zhao Lijian, porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, considerou a declaração de Pompeo “irresponsável”.

“Frequentemente envia navios de guerra avançados e aeronaves militares em grande escala para o Mar da China Meridional. Militarizam a região e promovem a lógica e a hegemonia do poder. Os EUA são os destruidores e criadores de problemas para a paz e a estabilidade na região”, afirmou a autoridade chinesa a repórteres.

A China reivindica quase todo o Mar da China Meridional sob sua autoproclamada “linha de nove traços”, o que daria cerca de nove décimos do mar de 3,5 milhões de quilômetros quadrados.

Cinco outros governos reivindicam todo ou parte do mar – Filipinas, Vietnã, Brunei, Malásia e Taiwan – através dos quais aproximadamente US$ 5 trilhões em mercadorias são embarcados todos os anos.

O porta-voz presidencial das Filipinas, Harry Roque, disse que as reivindicações na região devem ser resolvidas de acordo com a Convenção das Nações Unidas sobre o Direito do Mar. “Nossa posição aqui é que buscaremos nosso interesse nacional e a resolução do Mar da China Meridional deverá estar de acordo com a lei”, afirmou.

Huawei 5G – Reino Unido:

A China também sofreu uma nova derrota nesta terça-feira (14/07). Desta vez foi a decisão britânica de banir a tecnologia 5G da gigante chinesa de telecomunicações Huawei no país europeu. Operadores como BT e Vodafone tem até 2027 para remover todo equipamento que utiliza o 5G chinês em sua rede.

O ministro da Cultura e [mídia] Digital, Oliver Dowden, disse que as novas sanções impostas aos EUA em maio “mudaram significativamente” o cenário.

“Dada a incerteza que isso gera na cadeia de suprimentos da Huawei, o Reino Unido não pode mais ter certeza de que será capaz de garantir a segurança dos futuros equipamentos Huawei 5G”, disse Dowden.

A Huawei afirmou estar confiante de que as recentes sanções dos EUA não afetariam “a resiliência ou a segurança” de seus produtos e descreveu o anúncio no Reino Unido como decepcionante.

“Ameaça levar a Grã-Bretanha para uma mudança mais lenta que outros países, elevar as contas e aprofundar a desigualdade digital”, disse Ed Brewster, porta-voz da Huawei no Reino Unido. “Lamentavelmente, nosso futuro no Reino Unido se tornou politizado; trata-se da política comercial dos EUA e não de segurança”.

A decisão é um grande golpe para a Huawei, que opera na Grã-Bretanha há 20 anos. A Europa é um mercado importante para a empresa, respondendo por 24% das vendas no ano passado. A Huawei anunciou na segunda-feira os resultados do semestre, mais cedo do que o habitual, relatando um crescimento mais lento da receita. A empresa já está experimentando um declínio nas vendas de smartphones, depois que Washington a impediu de acessar aplicativos populares do Google. Como resultado, os telefones se tornaram muito menos atraentes em mercados fora da China.

A trama envolvendo os EUA e a China vem de uma longa guerra comercial que vem afetando vários países, além de troca de acusações e ameaças de ambas as partes com o objetivo de interferir em acordos comerciais fechados entre as nações.

Para citar este artigo, use os padrões abaixo.

ABNT:

Flávio Henrique Soeiro de Castro. China: EUA rejeita reinvidicação chinesa sobre domínio territorial no Mar da China Meridional. Fora!. Acessado em 14 de julho de 2020. Disponível em <https://fora.global/2020/07/14/china-eua-rejeita-reinvidicacao-chinesa-sobre-dominio-territorial-no-mar-da-china-meridional/>.

APA:

Flávio Henrique Soeiro de Castro. (14 de julho de 2020). Fora!. https://fora.global/2020/07/14/china-eua-rejeita-reinvidicacao-chinesa-sobre-dominio-territorial-no-mar-da-china-meridional/.

Adaptações na ordem nome-sobrenome, bem como em outros elementos, podem ser necessárias. Se o texto tem co-autores ou se trata de uma tradução, os co-autores/tradutores devem ser revisados manualmente devido a limitações em nosso script.

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*